Desapego

Alguém me disse uma vez que a maneira mais fácil de parar de amar as coisas que não te fazem bem é se desapegando delas. Segui esse conselho prometendo a mim mesma que iria conseguir cumpri-lo, mas ao invés de dizer que me desapeguei dessas coisas, prefiro dizer que "as deixei ir". Era um risco, mas eu havia de atirar para um dos lados, só espero ter escolhido o lado certo... Caso contrário esse seria mais um conselho que eu segui de uma maneira errada, e seria mais um motivo para continuar tentando. Conforme o tempo passa, deixar as coisas irem não fica mais fácil, fica menos difícil e elas não me fizeram falta, elas de alguma forma me salvaram, eu estava perdida entre beber as minhas palavras e suspirar os meus pecados, e elas me salvaram. É incrível como tudo fica mais fácil quando você começa a ver as coisas de outra maneira, é ainda mais incrível como você percebe que no fim tudo que você deixou ir embora, você não precisava.

Sentido

Porque as coisas não podem ser simplesmente simples? É tão difícil ter que procurar e procurar, e procurar mais um pouco por sentido. Ou talvez um rumo. Um caminho. Ou qualquer outro adjetivo que me faça encontrar razão pra mim. Sinto que não sinto mais, e meus instintos estão se contorcendo dentro de mim, assim como as coisas estão se contorcendo e parecendo tão erradas em tantas maneiras diferentes; fora de mim. Mas o que posso fazer? Nada posso fazer, pois não sei mais se devo ou se não devo. Não sei, não é simples, mas eu simplesmente não sei. Talvez eu possa fazer de novo, e de novo. Parecia tão bom e puro, até um instante, onde o vento resolveu soprar para o outro lado. Eu não queria assim. Mas quando foi que tive escolha?
Peço simplesmente por um sentido na vida. Então pensei em talvez amar, amar mil vezes, de todas as maneiras, pois há tanto para amar na vida, não há?

Fique


 Nostalgia. Depois de um adeus é a primeira a bater na porta, dependendo do lugar não precisa nem ter porta para que ela entre. Aos pouquinhos eu aprendo, pois amar é fácil, é muito fácil, mas e depois?! Pois é, venho me perguntando isso nos últimos dias. Mas espere! Está tudo mesmo tão monótono ou é só a falta de você? A cada segundo piora, e a nostalgia se torna mais cruel, ela mexe e revira o pior pedaço, o pedaço de lembrança que eu gostaria de esquecer, esquecer por um segundo para dar espaço para novas lembranças. Mas não, ela não deixa. Então eu me obrigo a lembrar, do dia em que tudo estava perfeito, mesmo não existindo perfeição, no dia em que tudo era medido com cuidado, e que tudo parecia estar bem; finalmente. - Seria possível voltar e não cometer os mesmos erros? - Eu te pergunto.
Agora é apenas tempos em tempos. A nostalgia se despede dando espaço para que novos amores venham, é assim mesmo não é? Eles vêm e vão. Não se sabe se eles ficam; eu não sei se eles ficam já que você voltou. Mas então eu te peço que fique. Não fazia tanto tempo que você havia ido, mas me pareciam anos, talvez amores realmente se vão quando o destino não quer que eles voltem. Chega a ser assustador perceber o quão doloroso é tudo isso, é assustador; pensar que alguém conseguiu fazer isso comigo. Mas então eu te peço novamente, peço que fique. Porque mesmo que você não saiba, eu ainda escrevo poemas sobre você.