Fique


 Nostalgia. Depois de um adeus é a primeira a bater na porta, dependendo do lugar não precisa nem ter porta para que ela entre. Aos pouquinhos eu aprendo, pois amar é fácil, é muito fácil, mas e depois?! Pois é, venho me perguntando isso nos últimos dias. Mas espere! Está tudo mesmo tão monótono ou é só a falta de você? A cada segundo piora, e a nostalgia se torna mais cruel, ela mexe e revira o pior pedaço, o pedaço de lembrança que eu gostaria de esquecer, esquecer por um segundo para dar espaço para novas lembranças. Mas não, ela não deixa. Então eu me obrigo a lembrar, do dia em que tudo estava perfeito, mesmo não existindo perfeição, no dia em que tudo era medido com cuidado, e que tudo parecia estar bem; finalmente. - Seria possível voltar e não cometer os mesmos erros? - Eu te pergunto.
Agora é apenas tempos em tempos. A nostalgia se despede dando espaço para que novos amores venham, é assim mesmo não é? Eles vêm e vão. Não se sabe se eles ficam; eu não sei se eles ficam já que você voltou. Mas então eu te peço que fique. Não fazia tanto tempo que você havia ido, mas me pareciam anos, talvez amores realmente se vão quando o destino não quer que eles voltem. Chega a ser assustador perceber o quão doloroso é tudo isso, é assustador; pensar que alguém conseguiu fazer isso comigo. Mas então eu te peço novamente, peço que fique. Porque mesmo que você não saiba, eu ainda escrevo poemas sobre você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário