Descobri.


Olhei em volta. Vi-me cercada de pessoas, todas ao meu redor, querendo um pedacinho de mim. Então olhei novamente. Contei nos dedos em quantas delas eu podia confiar, considerar meus amigos. Não precisei das duas mãos para isso, e ainda me sobraram dedos. Ver que mesmo estando cercada de milhares de pessoas e pouquíssimas as que realmente posso confiar, descobri, a realidade. E que muitas vezes, ela dói. Ela te machuca. Ela deixa uma ferida que mesmo quando você acha que ela está curada, ela volta a doer vez ou outra. A cada pessoa que conheço, cresço um pouco mais. E a dor vai se tornando cada vez mais fraca. É como se você já soubesse que vão te magoar quando você menos espera, e então não é tão doloroso. A verdade é que mesmo que doa, vai passar. As vezes achamos que não, mas passa. Essas pouquíssimas pessoas, meus amores, são as que realmente valem a pena. Sei que elas podem errar de vez em quando, mas isso é normal. Somos humanos e erramos sempre. Acontece que existem certas coisas que não merecem perdão, e cabe a você e mais ninguém julgá-las.

E então fica a frase que fiz a alguns dias e que me inspirou em fazer esse texto;
"Nunca se engane achando que sabe tudo sobre uma pessoa, pois o que você sabe, é o que ela te permite saber. "

Um comentário: