Dádiva

A cada 1 passo que dou para frente, volto 2 para trás. Tentando entender o que estou fazendo. O que eu quero; o que eu quero? Depois de algum tempo pensando, não encontrei a resposta. Os segundos continuaram passando, afinal, o tempo não para, para que eu me concerte. Andando pelas ruas escuras, só podia se ouvir minha respiração, o que me assustava. Me assustava ter que ouvir a minha respiração quando eu queria ouvir a sua. Andei mais rápido. Sentei. Ofegante olhando para o céu. Mesmo sem saber o que queria, eu desejava pelo menos naquele momento, sentir você, minha dádiva. Nem que fosse por um segundo. Só para que eu pudesse lembrar-me de como era. Levantei-me e segui em frente. Dizem que não se pode mudar o que já está feito. Cheguei á porta de casa, e fiquei ali; parada por alguns minutos, criando coragem para entrar. Para enfrentar aquilo que chamam de vida. Não é uma coisa de que se pode fugir; talvez até possa, mas não por muito tempo. Com passos lentos e sem fazer algum barulho sequer, entrei. Sentei-me na varanda, e contemplei daquele céu cheio de estrelas mais uma vez; desejando que você entrasse e fizesse tudo isso parar.
Mas é como dizem; querer nem sempre é poder.

3 comentários:

  1. kamiiilla linda hehe17.6.10

    mmmmt bom jaczinha *_*

    ResponderExcluir
  2. John Lennon17.6.10

    Ja que nao podemos fugir dessa vida,viva ela com vc quera acha alguma coisa para fase acredite em algo,e nao ligue par que os outros falam pos e vc que emporta

    ResponderExcluir
  3. adorei o texto! to te seguindo, me segue? :$

    ResponderExcluir